terça-feira, 31 de outubro de 2017

#Resenha: Graça Extraordinária, Aline Barros

E aí, gente, como estão as leituras?
Hoje tem mais uma resenha de um livro que amei muito, pra vocês!
Confira!

Graça Extraordinária é o segundo livro que li da cantora, pastora e escritora, Aline Barros. Já fazia alguns anos que queria muito lê-lo, e até que enfim, li ele e o anterior dela, Fé e Paixão, este ano.

Graça Extraordinária, é sem dúvidas, um dos melhores livros que já li na vida.

Com uma escrita fluída e apaixonante, a Aline fala sobre fé e graça de Deus em todas as circunstâncias. O como Deus pode nos ajudar, levantar do pó, restaurar, curar, libertar, etc.!
Sempre!

Basta apenas ter fé e perseverar, confiar e seguir Seus mandamentos e Sua Palavra.

Contando com depoimentos e testemunhos de pessoas que através de ouvir e cantar as canções de Aline, tiveram sua fé aumentada, acreditaram e determinaram sua vitória, conseguindo cura, restauração e muitas bênçãos.

Achei isso incrível. Pois eu acredito que a música, independentemente da religião do cantor/banda, é uma arte fenomenal, que nos ensina, estimula, cura a alma e dá mais alegria de viver.

Algumas pessoas julgam cantores religiosos, sejam evangélicos, católicos, ou de outras religiões, por ganharem dinheiro por cantar. Mas, eu acho isso um grande absurdo e preconceito! Se quem canta música secular pode ganhar dinheiro, e ganhar bem!, porque um cantor religioso também não pode? Ele não está vendendo Deus, mas sim, fazendo o que ama, o que tem dom (e concedido por Deus, podemos dizer), e ganhando dinheiro de uma forma honesta e justa. Cantar, independentemente da religião, é sim, uma profissão linda, de grande valor e uma arte inesgotável!

Eu também amo as músicas da Aline. Já me emocionei e chorei muito ouvindo suas canções, principalmente Ressuscita-me, e como ela muitas vezes me aproximam mais de Deus. Ouvindo-as, tenho mais vontade de falar e adorar o Senhor.  <3

Um livro maravilhoso, que não só nos incentiva a ter mais fé, como também, a aprofundar nosso relacionamento com Deus e buscar uma vida de mais retidão e justiça.

Mais que indicado!




Essa é a quinta resenha de Outubro do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: autora que faz niver em Outubro, a Aline fez niver no dia 7 desse mês!
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.

#Resenha: O Cemitério, Stephen King

Oii gente, tudo bem?
Ah, esse mês aproveitei pra descansar bastante.
Mas, consegui também, finalmente ler autores que estavam há anos empoeirando na minha estante!
Confira a resenha de um desses! rsrs

Há anos que tenho muitíssima vontade de ler os livros do Stephen King. E confesso, não era só um livro não, mas sim, todos! 
Adorooooooo as sinopses e resenhas que leio dos livros dele. Porém, sou medrosa, e acabei por ir postergando a leitura mais e mais.

Até que nesse mês, finalmente, tomei coragem e li O Cemitério. E, gente, que livro maravilhoso! Eu amei demais!
De verdade!
Me arrependi de não ter lido-o antes.
Senti sim, medo, em algumas partes. Mas foi bem pouco. Eu senti mais angústia e dor. Pois, como todo livro bem escrito, os personagens e até os "fenômenos tenebrosos e fantásticos", foram muito reais e instigantes, me fazendo sentir na pele o drama dos personagens principais, além de me levar a questionar muitas coisas. Não só sobre as surpresas do final da trama, como também, sobre a vida e a morte, em si.

Em O Cemitério, Stephen King, habilmente nos faz adentrar de cabeça no drama do médico Louis Creed, que acabou de se mudar para uma nova cidade, vivendo numa casa estranha, numa rodovia perigosíssima e que ainda por cima, conta com um "simitério de animais" no fundo de sua propriedade.

Louis, a esposa, Rachel, e seus filhos Eileen e Gage, acabam por se adaptando bem a nova vida, ainda mais contando com a ajuda e amizade do vizinho de frente, Judd.

No entanto, Louis, vivencia ao decorrer dos meses alguns fatos assombrosos. Como a morte do jovem Pascow, um acontecimento um tanto quando terrível com o gato da filha, Church, e mais pra frente, também com seu filho, um bebê de quase três anos.

Esses acontecimentos são terríveis. De partir o coração mesmo. E graças a um segredo contado por Judd, Louis, para contornar a sua dor, segue em frente em busca de cura e assim, dá início a um assombroso acontecimento envolvendo o Gage.

É difícil resenhar este livro, porque bem, se eu contar que segredo/acontecimento é esse, vocês já saberão uma parte importantíssima do livro, um big spoiler. O que posso dizer é que é muito interessante e ao mesmo tempo, assustador e triste. Muito triste.

O livro nos faz questionar muito sobre a morte e o amor pelos nossos entes queridos. O que seríamos capaz de fazer por eles? O que seríamos capaz de fazer por quem já não está mais entre nós? Até que ponto podemos chamar algumas atitudes humanas de amor e separá-las da loucura?

Uma obra maravilhosa e com um final surpreendente!
Gostei demais!
Agora é claro que já perdi um pouco do medo e quero demais ler outros do King!

O Cemitério é uma obra especial, porque, apesar de todo o terror da trama, ele fala muito sobre amor, família e morte. Assuntos difíceis, reais e naturais da vida. Vale a pena ler!



Essa é a quarta resenha de Outubro do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um livro de terror.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

#Resenha: No seu olhar, Nicholas Sparks

Oii gente, tudo bem?
Como está as leituras de vocês?
As minhas estão muito produtivas, graças a Deus! kkkk
Hoje tem resenha de um livro que curti muito!
Vem ler!

Gente, finalmente estou acabando de ler todos os livros do tio Nick! Uhuuuuuuu!
Falta pra mim apenas: Três semanas com o meu irmão e Dois a dois! EEEEEEEH!

E hoje, vamos conversar sobre o maravilhoso No seu olhar!
Vou dizer, o final eu achei muito rápido, queria mais. No entanto, o desenrolar do livro, ah, meu Deus, foi ótimo!

Que fluído e gostoso de ler!
A escrita do tio Nick é muita sensacional e apaixonante!

E os personagens também!

Colin sonha em tornar-se um professor que possa ajudar e mudar a vida de muitas crianças. Com alguns transtornos psicológicos, ele acabava brigando muito e se alterando na infância, sendo assim, abandonado por todos.

Longe da família, contando apenas com um casal de amigos que o aceita e o adora como é, ele conhece Maria perdida na estrada numa noite de tempestade, necessitando de uma ajudinha com o carro quebrado.

Maria, uma jovem advogada que vem sofrendo assédio moral do chefe na empresa em que trabalha igual uma condenada, se assusta com Colin, embora ele tenha tão gentilmente consertado seu carro.

Colin, vinha de uma luta, por isso estava com a cara toda regaçada! kkkk

Destino ou coincidências, não sabemos, mas Serena, irmã caçula de Maria, após saber do rapaz que tanto assustou sua irmã, junta 2+2 e logo descobre que é Colin, seu colega de faculdade, assim, unindo o casal.

No começo, até parece que eles são bem opostos. Mas não. Ao decorrer da trama, percebemos o quanto Colin e Maria se completam e são essenciais para com o outro. Amei a química e companheirismo que cresceu entre eles.

Maria é uma personagem que carrega traumas de seu passado conturbado no trabalho. E começa a sofrer perseguições horrorosas. Uma, do chefe tarado. E a outra, ela não sabe, a polícia não liga muito, mas têm alguém seguindo-a e deixando-a assustadíssima depois de receber recados e flores perturbadores.

O relacionamento deles é fofo demais, porém, o que mais gostei no livro foi o suspense todo. A gente fica doido tentando entender e descobrir quem está perseguindo Maria, e a resposta só vem nas últimas páginas! E olha, é de dar medo!

O assédio sexual que não só Maria, como também, suas colegas de trabalho passam, é terrível e indesculpável. FIQUEI LOUCA DE RAIVA do chefe dela e torci muito pra ele pagar por tudo. Entretanto, achei bem chato o final desse chefe, não teve a justiça que ele tanto merecia. Foi como se o tio Nick tivesse mudado de ideia e dado um basta de vez no personagem e nesse drama. 
Talvez, o tio Nick fez isso só pra ressaltar o quanto, nós, mulheres, sofremos tanto com assédios e abusos e ainda sim, não conseguimos a justiça completa, de fato! =/

Aquele outro mistério todo dos bilhetes, das flores, y otras cositas más que perseguem Maria, é demais! Foi de tirar o fôlego e me deu muito medo do que aconteceria afinal com os personagens.

Gostei muito do livro, principalmente, de como o Colin ama e protege Maria. O quanto ele se doa para protegê-la!
Tá faltando homens assim, viu?! kkkkkkk

Indico!



Essa é a terceira resenha de Outubro do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um suspense.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.

domingo, 22 de outubro de 2017

#Resenha: Eu estive aqui, Gayle Forman

E aí, gente, beleza?
Mais uma resenha quentinha pra vocês!
Confira!

Há uns três anos, li o Se eu ficar, também da Gayle Forman, e confesso não ter gostado tanto. O livro foi tão decepcionante que não quis nem saber de ler mais da autora! kkkkk

Porém, quando Eu estive aqui foi lançado, e teve tanta polêmica e comoção envolvida, fiquei muito curiosa. Mas, só agora lhe dei uma chance. 
Foi uma leitura chocante, emocionante e polêmica mesmo! 
Me causando dor e muitas lágrimas ao decorrer da leitura! (coisa rara eu chorar lendo!). 

O livro começa com o e-mail de Meg para sua melhor amiga, Cody.
Cody, que mora no "Cu do Judas" (geeeeeeente!) como ela tanta ressalta no livro kkkkkkkk está há meses sem ver sua melhor amiga, que mora em outra city cursando a faculdade.

Claro que receber um e-mail suicida não é algo que se espera, e por mais que duvide que seja real, e não uma brincadeira da zoadora Meg, Cody liga para os pais da amiga a fim de confirmar a veracidade do recado, e qual não é a sua surpresa e dor ao descobrir que sua amiga se suicidou em um quarto de motel após tomar um veneno fortíssimo.

A dor inescrutável leva Cody a se questionar e parar sua vida. Como ela não percebeu as dores da alma que sua amiga vinha sofrendo até chegar a este fim? Por que a amiga não lhe pediu ajuda? Houve algo que intensificou o "desejo" de por fim a sua própria vida?

Com uma escrita rápida, porém, meio cansativa, Gayle Forman nos revela algo até então, inimaginável para mim.

Cody ganha o antigo laptop da amiga e assim, passa a investigar o histórico e e-mails que Meg trocou. O grupo secreto que apoia as pessoas a cometerem suicídio que ela tanto desabafou e foi incentivada avidamente.

É muito chocante descobrir como tem pessoas tão más, que se aproveitam da doença e fragilidade dos outros para cometerem maldades horríveis e, como neste caso, ficarem impunes. 

O livro tem um pouco mais de 200 páginas, então li num dia. Embora tenha sido cansativo em algumas partes, foi muito esclarecedor sobre esses "grupos", além de mostrar a realidade da depressão. Não tão abertamente, mas com personagens como a Meg: feliz, zoeira, cheia de vida, podem perder suas vidas e sonhos pra essa doença maldita, que infelizmente, tem levado milhares de pessoas a morte, todos os anos. E o Brasil é um dos países com os maiores números de suicídios causados pela depressão.

Quantas vezes não vemos pessoas tirando sarro das outras? Quantas vezes não vemos, na net mesmo, gentinha sem mais o que fazer, esculachando pessoas depressivas como se fossem "manhosas"?
ISSO É HORRÍVEL, E TEM QUE PARAR!

Depressão é uma doença terrível. Mata como o câncer. Só que é pior, a meu ver. Pois é na alma. E se não ajudarmos, apoiarmos, estamos matando também.
Até porque, hoje em dia, com essa correria e tanta violência nesse mundão, é quase impossível pelo menos uma pessoa em nossa família não ser portadora da doença. Já pensou que você aí, que tira tanto sarro, pode estar matando "sem saber" alguém que você ama?
POIS É!
Depressão é real. É um tormento pra quem tem. Mas têm tratamento não só para aliviar como também ajudando a criar.
Já conversei com duas pessoas no facebook que me disseram não procurar ajuda, porque "depressão não tem cura". Gente, isso é mentira! Tem cura sim, pra muitos, dependendo do caso. E pra outros, pode pelo menos sem controlada e trazer a pessoa de volta para uma vida normal. Os remédios nem sempre são caro, e muitos são dados em postos de saúde (sei disso, pois pessoas próximas à mim, fazem tratamento contínuo que tem ajudado muito!). Portanto, POR FAVOR, NÃO DEIXEM DE BUSCAR AJUDA!!!!

Outro ponto importantíssimo do livro, é como os remédios e tratamentos anti-depressivos ajudam e podem salvar muitas vidas, e como no caso do grupo que "ajuda" a Meg, ele foi rechaçado. E assim, muitas pessoas caem nessa de que remédio "queima os neurônios e não sei mais o que", e deixa de buscar ajuda enquanto há tempo.

Confesso, achei o livro um tanto desesperançoso, principalmente o final, que não trouxe a justiça, que a meu ver, deveria sim ter tido.

No entanto, foi uma leitura ótima pra me fazer ver o quanto ainda existe preconceito com pessoas depressivas e contra remédios que lhes ajudam. 
E como tem gente mau também né?! Esses grupos que apoiam o suicídios são o verdadeiro inferno na Terra! Fiquei extremamente chocada e chorei muito ao ver o quanto prejudicam e incitam a morte a pessoas incríveis que só precisam de uma mão estendida e de um abraço amigo!

Não seja um assassino!
Respeite as pessoas e seus problemas!
Ajude-as e AME MAIS!



Essa é a segunda resenha de Outubro do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um livro polêmico.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.

#Resenha: O que toda mulher inteligente deve saber, Steven Carter e Julia Sokol

Oii gente, tudo bem?
Vamos pra mais uma resenha!
E a de hoje é de um livro que amei demais e já se tornou prefê da vida!
Confira!


Apesar de amar esse estilo autoajuda, confesso que comecei a ler O que toda mulher inteligente deve saber, dos autores americanos, Steven Carter e Julia Sokol, sem grandes expectativas. E, minha nossa, que surpresa boa!

Eu simplesmente ADOREI este livro!
Amei tanto que logo em seguida, li mais dois deles, e só não li mais, porque ainda não pude comprar :( :( :(
aliás, se alguém quiser me dar de natal, hein, eu bem que aceito! kkkkkkk

Que livro espetacular!

É um livro fininho que li numa sentada só. Mas me trouxe muito mais abertura para eu ser eu mesma e para ser mais fiel a mim.

O livro dá diversos conselhos sobre como as mulheres NECESSITAM serem mais inteligentes nos relacionamentos amorosos, lutando contra abusos físicos e emocionais, mentiras, não aceitação de suas condições físicas e/ou de personalidade pelo companheiro, como lidar com a separação e como ir até o fim e não voltar atrás em um relacionamento conturbado, como encontrar a pessoa mais certa que se encaixará com cada personalidade e lidar com o passado sem traumas.

Pode parecer um livro bobinho, do tipo, que só fala pra você se arrumar mais e mostrar as pernas, como já li alguns por aí. Mas, não! O que toda mulher inteligente deve saber é um livro maravilhoso, pois ele mostra às mulheres o quão especiais e importantes elas são. E, que não é vergonha terminar um relacionamento em que sofre abusos e desrespeitos, que não é errado buscar pela pessoa certa, e que é extremamente importante ser amada e amar sem ter medo, vergonha ou máscaras.

Com conselhos e depoimentos de mulheres reais, percebemos o quanto relacionamentos cheios de violência, mentiras e dores podem nos causar traumas, baixa autoestima e muitos outros problemas horrorosos.

Gostei muito mesmo!
Ele me abriu os olhos pra algo que eu sempre valorizei e dizia "prazamigas" que queria ser amada pelo que sou. E, infelizmente, teve MUITAS pessoas que me diziam que se eu não mudasse, não fosse até mais "igual" as outras mulheres, eu nunca encontraria um rapaz especial.

Pois é!
Horrível isso, não é mesmo? Temos que ser aceitas e amadas pelo o que somos e não pelo que "esperam", "sonham pra nós"! E acima de tudo: PRECISAMOS ser respeitadas sempre independentemente de nossas escolhas!

Maravilhoso! Mais que indicado!



Essa é a primeira resenha de Outubro do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: com capa rosa.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.