quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Conheça Vinícius, do autor brasileiro Marquinhos Paralama

Oii gente, tudo bem??

Hoje trago a indicação de um livro que adorei a capa/sinopse e fiquei supercuriosa para ler!
E o melhor, é brasileiro!

Confira!

Sinopse: Vinícius é um menino que procura ajudar todos ao seu redor e acaba em variadas confusões. Na trajetória dessa criança, além de tumultos, constrói muitas amizades. Ele possui a característica que o ser humano precisa exercer em sua passagem aqui na Terra. O objetivo principal do texto “Vinícius” é mostrar que é possível solucionar os obstáculos da vida com alegria e vontade.  Fazer a diferença em um universo de aventuras, desafios e dificuldades. Facilitar a vida do próximo e obter resultados concretos. É preciso buscar e encontrar, os milhares de Vinícius que existem pelo mundo e ajudá-los a ajudar os outros.
Uma fofura, né gente?
Eu gostei demais.
Claro que já quero ler!

Você pode compra-lo neste link aqui!

Beijocas,
e ótima semana a todos!!

Ana M.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

#Resenha: Janelas Abertas, Ademilson Chaves

E aí, gente, tudo firmeza?
Bora curtir mais uma resenha?!
Hoje é de um dos meus autores brasileiros preferidos!
Confira!


Em Janelas Abertas, o autor brasileiro Ademilson Chaves, nos brinda com mais uma de suas histórias de tirar o fôlego!
Com muita paixão e suspense. Crimes e mais crimes. Ainda mais agoniante e emocionante do que seus romances anteriores, A Escolha de Eron e O Estranho.

Eu estava supercuriosa pra lê-lo. Minhas janelas demoraram para se abrirem! kkkkkk

Mas, assim que o livro chegou, corri pra ler! E não me arrependi!

O li em menos de 24hrs., só parei pra dormir um pouco e até sonhar com as tretas do personagens, sonhei! kkkkk


Janelas Abertas é um baita romance dramático! Tem muito, muito, muito drama mesmo!

Volto a repetir, foi de tirar o fôlego!

Com uma escrita veloz e poética, o autor traça os perfis dos personagens, principais e secundários, de uma forma muito perspicaz e empolgante, fazendo-nos querer ler mais e mais. E claro, após o virar da última página, não posso dizer que fechei minhas janelas. Elas continuaram abertas, esperando por mais histórias. Por mais emoções e reflexões sobre a vida.


Amo os livros do Ademilson por isso. Os dramas, crimes, relacionamentos que exemplificam, são muito reais. Os personagens são muito "gente como a gente". 

E os vilões, ah, não posso negar, são também bem reconhecíveis no nosso dia a dia. O que me deixou mais louca de raiva, nojo, não aceitação pelo o que ocorria, e ansiosa para ver o sangue escorrer desses capetas! kkkk

Eita, autor que sabe como ninguém criar "bons" vilões!
Lembrou-me muito a J. K. Rowling, que também nos faz odiar seus antagonistas até não poder mais!


Foi um dos melhores livros que li esse ano, posso afirmar. Esse mistura de romântico com suspense e drama, fez dele, uma obra maravilhosa e extremamente agradável para todos os gostos.

Independente de qual é seu gênero literário favorito, tenho certeza que Janelas Abertas não deixará de te agradar!

E a diagramação está impecável! Páginas lindas amarelinhas, fonte também bonita e no tamanho certo. O capricho com que o livro foi composto é maravilhoso! Demonstrando o carinho do autor para com seus leitores! Adorei!


Agora chega de desabafo, e vamos pra história! \o/

O livro inteiro é narrado por Tomás - que só viemos a saber seu nome no final, mas, eu amo esse nome, e amei o personagem, então, falo mesmo! rsrs -, de uma forma muito íntima e atrativa. Tomás é um personagem que sofre de amor, pela sua prima, Martha. E sem ter coragem de se declarar, acaba deixando-a, e vai estudar música em Londres (se bem que sendo em Londres, eu deixava até o Elvis kkkk).

Martha engravida de Lucas, seu grande amor. Mas, um mal entendido os separa. E anos mais tarde, Martha casa-se com José Carlos, que desde o princípio se mostrou um verdadeiro capeta. Falso, interesseiro, terrível. Gente, ele é mais terrível, insano, capeta mesmo, do que o Diogo de A Escolha de Eron (e olha que eu achava que endiabrado igual aquele não existia! Ledo engano!).

Acho que a Martha só não percebeu o quão pernicioso ele era, porque afinal, nunca foi apaixonada por ele. E também não havia esquecido o Lucas.

Diante de tanta falcatrua, tanta roubalheira e monstruosidade, Martha se vê presa dentro de si mesma, por todos os males que José Carlos lhe causou.
Presa numa depressão sem fim. Que teve início quando sua filha, Melissa, sumiu. Desapareceu sem deixar rastros. Acabando, destruindo a vida de Martha.

Anos depois, Tomás volta ao Brasil e ao reencontrar Martha presa em sua própria casa, sendo dopada e tratada nas piores condições por ordens de José Carlos. Ele e outros tantos personagens maravilhosos, se unem para tirar Martha dessa vida, e trazê-la à tona, e juntos, procurarem por Melissa.

O que se segue é emoção sem parar.
Eu não acreditava no que eu estava lendo!
Eram muitos crimes e perversidades do José Carlos, e seus comparsas! Muitos, sem fim. Me chocou! E a Alice então?! Gente, que mulher escrota! Que vaca! Torci o livro inteiro pra ver o sangue dela jorrar! Vagabunda!

O José Carlos é um capeta, sem tirar nem por! Não tenho outra palavra pra descrevê-lo. Tudo o que ele fez foi de parar o core!
Não da pra acreditar que tem pessoas piores que ele na vida real! NÃO DA! É insano demais! Sem palavras...

A Lia é outra personagem que me encantou. Porque, gente, o que essa mulher sofreu de graça, olha não foi brincadeira não!
E mesmo assim, ela seguiu em frente. Foi forte, lutou e superou muitas coisas, mesmo!

Por muito menos, a vacona nojenta da Alice se borrou toda! Ridícula!

O Arthur e o Luan foram outros personagens que caíram de "paraquedas", e vieram pra marcar história! Adorei a reviravolta louca e superincrível que a trama deu, junto com eles!
Ah, e eu descobri a "surpresa" do Arthur! Uhuuuuuu, adoro quando descubro! Coisa rara de acontecer kkkkkkkkk

O final foi mais que surpreendente! Foi épico!
Sem exageros!
Pra um romance contemporâneo tão abrangente, o autor soube levar o ritmo e acontecimentos muito bem. Desenvolvendo-os com muita estratégia e inteligência. Surpreendendo até o mais hábil leitor.
Nem os leitores de Agatha Triste (Christie kkk) suspeitariam daquela reviravolta colossal!

Eu amei muito! Achei a ideia, os personagens, o final, brilhante!

Acabei de ler e emprestei pra minha mãe, que amou também, e agora já tô com uma vontade gigante de reler! <3 Mas, acho que vou reler A Escolha de Eron primeiro, que já tô com saudades!

Aí, tá vendo?! Eu amei Janelas Abertas! Achei um livro incrível, e que supermerece ser lido!


Me emocionei e sofri tanto com os dramas da Martha (essa e a Lia tem que ganhar o Oscar de mães HIPER sofredoras, nunca vi igual!) que minhas mãos suavam sem parar, quase, por um pouco, não rasgo sem querer a capa do livro! kkkkkkkk

Parabéns ao autor Ademilson Chaves, mais uma vez, arrasou geral!
Peço desculpas, sei que minha resenha não ficou grande coisa, é que tô emocionada. E quando gosto muito de um livro, não consigo escrever bem sobre ele! kkkk
E muito obrigadaaaaa por ter me enviado o exemplar! Obrigada mesmo! Pelo carinho e atenção de sempre também! Muito sucesso que tu merece!


* Conheça os livros de Ademilson Chaves já resenhados aqui no blog:




Essa é a segunda resenha de Agosto do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um drama.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijocas,
Ana M.

#Resenha: Como mudar o que mais irrita no casamento, Gary Chapman

Oii gente, tudo bem?
Bora pra mais uma resenha?
Espero que curtam!


Gary Chapman é um dos meus autores preferidos. Ele escreve de uma forma muito fluída e gostosa de ler, como se fosse um amigo íntimo de anos.

Claro que quero ler TODOS os seus livros! E, olha, ele tem muitos! rs

Pena que só tenho um =(

Mas, numa de minhas visitas a biblioteca, encontrei o Como mudar o que mais irrita no casamento, e claro, que eu não poderia deixar de emprestar, e correr ler!

É um livro curtinho, com poucas mais de 80 páginas, mas com dicas valiosas.

Em suma, o Gary da vários exemplos sobre aspectos mínimos e naturais, porém, destruidores de lares!
Hábitos pouco saudáveis ou apenas peculiares, que podem irritar constante e plenamente seu cônjuge!

Como evitá-los? Como suportá-los? É possível mudar seu cônjuge? Afinal, é possível mudarmos por amor?

Eu simplesmente amei esse livro!
Li numa sentada só!

O Gary fala abertamente como é errado tentar mudar quem amamos, embora, seja difícil aceitar alguns de seus atos e opiniões. Todavia, tanto o marido quanto a mulher, podem e devem, ser quem são, só que de uma maneira mais adaptada. Aceitando um ao outro, mas também, maneirando em suas atitudes com a finalidade de não perturbar ou ofender seu/sua companheiro/a.

Um exemplo bem engraçado, a meu ver, foi o do próprio autor, que contou que sua esposa sempre teve o costume de deixar as portas de armários e gavetas abertas depois de abri-las, e ele, sempre ia lá e fechava-as. 
Não importava o quanto ele pedisse pra ela fechar, e ainda que a filha pequena do casal tenha batido numa dessas gavetas e se machucado, a mãe não conseguiu abrandar esse hábito.
A resolução do caso? Bem, o Gary conta o quanto isso o incomodava. E não havia jeito. Sua esposa continuava a não fechar as portas/gavetas. A solução foi ele mesmo fechá-las, e parar de reclamar com a esposa. Pois ele percebeu que reclamar só criaria uma treta entre eles, e não mudaria o jeito dela de ser.

Achei bem engraçado tudo isso. O autor também conta sobre algumas coisas que ele e amigos tiveram de mudar parar manter a relação mais saudável e sem brigas.

Até porque, sejamos sinceros, todos nós somos um pouco "loucos", e temos hábitos, tics, costumes, bem desagradáveis e que precisam ser esquecidos por completos, né não? Eu mesma, tenho costume de xingar sempre, kkkkkkkk as pessoas ficam pasmas! Tento refrear minha linguinha por aí, mas não é fácil. Acabo esbarrando em algo, e logo sai um "merd*", nítido e em bom tom. kkkkkkkkkk

Muito bom o livro!
Indico para todos!

* Leia também as resenhas de outros livros de Gary Chapman já postadas aqui no blog:



Essa é a primeira resenha de Agosto do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um livro de uma biblioteca.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.

sábado, 29 de julho de 2017

#Resenha: Fantastic Beasts and Where to Find Them, J. K. Rowling

E aí, gente, como vocês estão?
Já preparam os filmes/livros que curtiram nesse fim de semana!
Eu tô com minha lista de filmes pra assistir queimando em minhas mãos, de tanta ansiedade! rsrsrs
Hoje tem resenha dela, da diva, J. K. Rowling, confira!


Naquela doideira toda que foi o lançamento do filme Animais Fantásticos e Onde Habitam, eu fiquei louca pra assistir, e no começo desse ano, quando descobri que tinham um roteiro original do filme, é claro que não pude deixar de ler! Comprei o e-book em inglês mesmo e corri pro abraço.

Mas, confesso, preferi o filme. Achei mais cativante e ativo.

O roteiro é muito bom. Diferentemente de Cursed Child, foi escrito apenas pela divona J. K., e como sempre, ela arrasou na escrita, só que os personagens não me ganharam por completo!

Achei meio lento e sem graça em algumas partes. Não consegui imaginar tudo em minha cabeça. 

A chegada de Newt Scamander em NY foi fantástica! Mais que isso! Bombardeada de correria e emoções.

Com No-Maj (trouxas) acompanhando-o e trazendo um ar mais divertido e cativante na história.

Foi bom. Gostoso de ler, principalmente para passar o tempo.
Porém, achei o filme mais legal mesmo.
Talvez se fosse romance eu tivesse curtido mais.
Roteiro fica muito corrido e não nos da tanta abertura pra imaginar com mais riqueza de detalhes os cenários e demais acontecimentos.

Bem, como sairá mais filmes com o Newt, espero que saia mais roteiros também, ou romances, que tal?!



Essa é a quinta resenha de Julho do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um autor que nasceu em Julho, a J. K. fará niver no dia 31 deste mês!
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.

#Resenha: O Coração de Sofia, Lori Wick

E aí, gente, hoje vai sair três resenhas!
Pra matar a saudade!
Espero que curtam!


O Coração de Sofia, de Lori Wick, foi um livro que me indicaram com muito amor e empolgação!
A pessoa que me indicou, disse até, que era o melhor livro cristão ever! rs

Eu fiquei louca de curiosidade!
E no final do ano passado, achei ele, caro, mas finalmente à venda, e minha tia linda gentilmente comprou ele pra mim de presente de natal.

Eu fiquei tão feliz, que eu não conseguia ler! kkkkkk
Enfim, finalmente o li agora, acabei faz uns dois dias, e tipo, tô sem palavras!

QUE LIVRO CHATO!

Pelamor!

A premissa é interessante. Só os desenvolvimentos foram muito lentos, e não houve nada de extraordinário. Nada muito desafiante, ainda mais no quesito fé. Que é o que eu esperava.
Eu sou cristã, e amo ler livros cristãos, para ver a Palavra de Deus em prática. Ver outras realidades.
Afinal, por vezes julgamos tanto, mesmo que ser querer, e lendo livros com essa temática, aprendemos e refletimos mais, compreendemos mais a Bíblia e até percebemos alguns comportamentos errôneos que tivemos.

Porém, em O Coração de Sofia eu não vi nada disso. Ok, os personagens eram cristãos, oravam, participavam ativamente dos cultos e gostavam, queriam a presença de Deus em suas vidas. Entretanto, não houve atos, a meu ver, de muita fé. Na verdade, achei os personagens calmos demais, dada as circunstâncias.

Bem, vamos a história!

Sofia tem um pouco mais de 20 anos e deixa a Tchecoslováquia para morar permanentemente nos EUA, buscar uma melhor condição de vida e realizar o sonho de conhecer a América. Sonho esse que compartilhava com sua avó que, por um certo motivo, não pode deixar seu país de origem ir viajar com Sofia.

O porquê da avó de Sofia não ir com ela pros EUA é a única coisa que me impactou e emocionou na história, e como tem uma surpresa enorme no final do livro sobre isso, não vou falar muito pra não estragar. kkkkkk

Sofia é uma tradutora poliglota primorosa, porém, não fala inglês fluentemente e passa por maus bocados quando chega lá. É tratada com desrespeito e humilhada o tempo todo. Além de trabalhar como garçonete ou serviços menores, bem diferente do que estava acostumada.

Porém, Sofia é muito humilde e grata a Deus e as pessoas ao seu redor pela oportunidade lhe concedida.

Até que na igreja que começa a frequentar, conhece Janete Ring, irmã de Alec Riley, que ficara viúvo com três filhos adolescentes há poucos meses.

Janete se encanta por Sofia, e reconhece nela uma mulher de fé. Indicando-a para ser governanta de Alec.

Com muito incentivo de Janete, Alec aceita que Sofia vá trabalhar pra ele e cuidar de seus filhos.

É aí que a história começa, e a meu ver, fica chata.

Porque não tem grandes emoções nem nada. A Sofia é uma mulher bondosa, ajudadora, carinhosa e humilde. Ajuda as crianças, sendo paciente e presente, a superarem a perda da mãe e seguir em frente, ensinando e encorajando-os a continuar com suas vidas.

Mas é basicamente isso. Vemos Sofia participando da igreja, fazendo amizade, conquistando a confiança de Alec e seus filhos. Até que sua presença torna-se insubstituível. Ela se torna uma amiga, um familiar para com eles.

É um livro fofinho demais. A Sofia é boa demais, dedicada, só que tão quieta, tão parada, que olha, não conseguiu me comprar. Acho que a autora errou em querer fazê-la perfeita demais.

Os demais personagens são mais ou menos. Alguns dramas e birrinhas que as crianças fazem com a Sofia mais pro final do livro achei bem forçado também. Tipo, adoravam ela, de repente, por algo comum e natural até, ficaram bicudos.

Ai, realmente, não gostei.

Apesar do livro ter mais de 600 páginas, eu li nuns 5 dias, foi bem rápido, a escrita é muito fluída e tem várias mudanças de cenários e acontecimentos, embora tudo muito básico, calmo, plácido até demais! kkkkk

Desculpem quem leu e amou. Mas, realmente, não é pra mim.

Vou trocar o meu no sebo. kkkk



Essa é a quarta resenha de Julho do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um livro com mais de 500 páginas, no caso, O Coração de Sofia tem 607 páginas.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijocas,
Ana M.

#Resenha: A Mulher dos sonhos de seu marido, Sharon Jaynes

Oii gente, tudo bem?
Esse mês foi de menos leituras, e mais descanso! rs
Beeeem férias mesmo!
E hoje trago resenha de um livro muito esperado por mim!
Confira!


Após ler tantos bons comentários e indicações sobre a autora Sharon Jaynes, e principalmente, sobre o livro A Mulher dos sonhos de seu marido, eu não poderia deixar de ler e conferir.
Mas, gente, têm acontecido algo muito chato comigo ultimamente! A maioria dos livros superindicados, que me deixam mais que curiosa para ler... eu não tenho gostado!
Pois é!
Me sinto mal com isso! rs

A Sharon escreve superbem, tanto é, que o livro é grandinho e eu li em praticamente um dia, virei a noite lendo.

É um livro muito bom, que conta com vários trechos de cartas e entrevistas com esses maridos, e suas esposas.

Foi de aprendizado e muito esclarecedor pra mim, porém, não foi aquela coisa toda, não.

A Sharon é uma autora cristã, por isso ela fala sobre experiências dela e de outras mulheres sobre como é ser esposa, levando em conta os princípios cristãos.

O que eu mais gostei foi o cuidado especial que a Sharon teve. Ela buscou ajuda de alguns psicólogos e demais estudiosos sobre a mentalidade e preferências masculinas, refletindo e dando exemplos reais, sobre como os homens pensam diferente das mulheres, e o quanto essa divergência em nossa mente e em nossas atitudes, podem trazer desafios assustadores para um casal.

Afinal, aquilo que deixa a mulher felicíssima, pode ser humilhante e constrangedor para o homem.

A cada final de capítulo, contamos com opiniões sinceras e bem diretas de alguns maridos. Elogiando ou reclamando de algumas atitudes de suas esposas, sem ofensas, é claro. E com uma sinceramente muito abrangente, me surpreendendo ao constatar como atitudes e pensamentos que eu tenho, e que para mim é tão normal, tão bom, pode ser ofensivo e/ou passar uma imagem de desinteresse e grosseria na visão dos homens.

A Sharon deixa claro nesta obra que casamento não é fácil. Não é pra qualquer um. E é mais que necessário que haja amor, cumplicidade, respeito e abertura para compreender a mente e a personalidade de cada um dos cônjuges. 

Gostei do livro. Foi uma leitura muito bacana.
Porém, eu gostaria de MUITO MAIS ensinamentos cristãos no livro. E, também de mais detalhes, queria que ele fosse maior! rs

Quem não é cristão, não precisa se preocupar. A autora é uma fofa e fala abertamente como se fosse uma amiga de anos. Sem julgamentos, nem ofensas.

Mas é muito interessante ela explicando como Deus criou o homem e a mulher para se complementarem e não para julgarem ou abusarem um do outro, pelas suas falhas ou diferenças.

Bem interessante isso.

Um ótimo livro, recomendo!



Essa é a terceira resenha de Julho do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um autor que eu ainda não tinha lido.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.

terça-feira, 18 de julho de 2017

#Resenha: Minha Vida com Boris, Thays Martinez

E aí, gente, beleza?
Que frio é esse?
Que horror, congelou tudo aqui! rs
Minhas mães viraram pedra :(
Mas, mesmo assim, eu não poderia deixar de resenhar um livro maravilhoso e cheio de emoções especialmente para vocês!
Confira!

Minha Vida com Boris é um relato emocionante e encantador da advogada brasileira Thays Martinez. Thays, que ficou cega na infância devido a infecções da caxumba que teve, é, sem dúvida, uma mulher extremamente forte e corajosa, que apesar de ter perdido a visão, não deixou de lutar nem sonhar, conquistando a profissão de seus sonhos, como também, lutando por uma vida mais justa e ampla para todos os deficientes visuais do Brasil.

Thays relata sua vida com Boris, um cão-guia que mudou sua vida. Sendo seu amigo, seus olhos, seu companheiro de todas as horas, além de ajuda-la a mudar o Brasil.

Quando Thays estava com 26 anos, foi para os EUA receber o Boris, pois aqui no BR ainda não tinha treinamento de cães guias. Ao retornar ao BR, Thays recebeu muitas recusas em lugares públicos, como o metrô, para continuar a ser acompanhada por um cão. Mesmo ele sendo guia, mesmo ela tendo autorizações legalizadas, ainda assim, houve diversas recusas e infortúnios. E, juntos, Thays e Boris conseguiram autorizações e até criações de leis de inclusão social.

Um livro curto e rápido de ler, com uma história de amor, luta, perseverança e veracidade impressionantes!

Me apaixonei pelo Boris, um labrador engraçadíssimo!
A Thays explica também como é importante o cão-guia ser treinado, já que, um cão normal (como os de estimação que ela teve na infância), não estão prontos ainda para auxiliar pessoas com deficiência visual, e nem para compreender os comandos de seu dono.

Me encantei também com a força de vontade e garra da Thays. Que apesar dos problemas, não se limitou, não aceitou nada menos do que sonhava e junto com Boris, seus amigos e familiares, conseguiu superar barreiras e realizar-se grandemente. Adorei ela, uma pessoa excepcional!

Livro maravilhoso! Todo mundo tem que ler! Incrível!



Essa é a segunda resenha de Julho do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um livro com animais na história.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.

domingo, 16 de julho de 2017

#Resenha: O Guardião, Nicholas Sparks

E aí, gente, tudo bem?
Como passaram o domingão?
Por aqui, tudo ótimo.
Hoje tem resenha do tio Nick pra vocês!
Confira!


Desde que O Guardião foi lançado, fiquei louquíssima pra lê-lo! A premissa tinha tudo de encantadora! Por fim, fui deixando pro momento certo e, bem, só li no começo deste mês.

E, por incrível que pareça, eu detestei o livro! É! A premissa é demais, mas o desenvolvimento da trama, a meu ver, deixou muito a desejar.

A escrita deu uma caída, apesar de muito fluída, e os personagens são super sem sal, chatinhos, sem muita emoção e aquela paixão gostosa que sempre banha os livros de Nicholas Sparks

Enfim, não gostei, não. rs

Vamos pra história!

Julie teve uma infância difícil ao lado da mãe. Sendo abandonada de diversas e tristes maneiras. Até conhecer Jim, um homem maravilhoso que a tira daquela vida miserável, lhe dando todo o seu amor e companheirismo. 

Tragicamente, Jim morre, deixando Julie numa tristeza aguda, mas, ele não a deixaria só, nem depois de morto. Deixou-lhe um cachorro lindo e muito esperto, Singer, com o propósito de cuidar dela.

Anos depois, Julie e Singer formam uma dupla divertida e unida. Singer é um cachorro enorme e uma graça! Acompanhando-a sempre. Julie, já recuperada da morte do marido, começa a ter alguns encontros, e o últimos deles, a deixou balançada. Com o charmoso e sedutor, Richard.

Mike, melhor amigo de Jim, e também de Julie, é muito apaixonado por ela. Embora, no momento, Julie apenas o veja como um bom amigo, e pensar nele como algo a mais, lhe deixa aflita, como se estivesse traindo o marido.

Depois de os encontros e o affair de Julie e Richard minguar, e este, começar a ter atitudes estranhíssimas, Julie e Mike de repente, bem do nada kkk, passarão mais tempo juntos e finalmente, darão uma chance para o amor. Afinal, Julie percebe que também está amando-o mais que um amigo.

Richard esconde um passado podre, sujo, perverso. E vai jogar essa perversidade sem pensar duas vezes em Julie e Mike. Ele é terrível! Que demônio! Como senti raiva desse homem!

A partir da metade do livro, o negócio vai esquentar, e o Richard vai aprontar muito mesmo! Me deixou muitíssimo angustiada, deu até dor no peito, conforme eu ia descobrindo todas as sujeiras e crimes de seu passado, nossa, foi horrível!

O relacionamento de Mike e Julie vai crescendo, mesmo com todos esses problemas, porém, eu não comprei esse casal. Gostei da trama de melhores amigos apaixonados, só que os achei muito forçados.

O final é de tirar o fôlego! Ao mesmo tempo que eu queria ler, também não queria de medo do que ia acontecer.

Bem, não aprovei de todo! Foi ok...



Essa é a primeira resenha de Julho do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um livro com praia na capa.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

#Resenha: Perdido em Marte, Andy Weir

E aí, gente, curtindo muito esta quinta com cara de sexta??
Por aqui, tudo ótimo, graças a Deus!
E agora tem mais uma resenha, ai, de um livro sensacional! Um dos meus prefes desse ano! 
Confira!


Logo que saiu a lista dos filmes/atores concorrentes ao Oscar e Matt Damon (lindoooooooooooooooo!) foi indicado como melhor ator por Perdido em Marte, fiquei curiosíssima para ler o livro, e também, assistir o filme. Que vergonha das vergonhas, ainda não assisti!

Corri comprar o e-book (ainda com a capa original. Mas saiu uma nova do filme), e por fim, tio Leozinho (outro lindo!) levou a estatueta, e eu fui adiando minha leitura.

Mas, como adoro o Matt, e queria muito assistir ao filme, corri semana passada a ler o livro pra assistir logo, e gente, que livro incrível é esse?! Eu não sabia o que esperar, porque né, "perdido em Marte", é desesperador demais pensar numa situação dessa. E o livro, ai, nossa!

Mark Watney é um botânico, engenheiro (não lembro do que agora kkk) e também é astronauta (eu também queria ser quando pequena, só PARA conhecer Marte, credo, perdi a vontade total depois de ler essa obra! kkk).

Logo que Mark e seu grupo chegam a Marte, sofrem um negócio tipo uma tempestade de areia, e Mark some, e se os seus companheiros não entrarem na nave e partirem de lá, vão morrer também. Portanto, achando que Mark realmente estava morto, seus amigos astronautas vão embora, deixando em Marte.

A viagem de ida até Marte leva cerca de 7 meses, por aí (no livro é contado em dias, as vezes em sóis, o que me deixou bugada nas contas kkk). Que exasperação me causou imaginar esses astronautas viajando por tantos meses e quando chegam lá, tem de voltar embora correndo. Quer dizer, voando! rsrs

Mark acorda um tanto machucado e atordoado, e parte se ajeitar, e tipo, ele é MUITO engraçado! E super, hiper, mega otimista!

Ele não se desespera. E talvez seja aí que o autor pecou. Porque mesmo perdido num planeta árido e inabitado, praticamente fadada a morte certa, o Mark NÃO perde jamais o rebolado.

Assim que se vê sozinho, ele já vai racionar comida, e fazer os ajustes necessários para voltar a Terra, pois em cerca de 4 anos, outra missão da Nasa ocorrerá, e ele vai tentar pegar carona com os demais astronautas.

Gente, peço desculpas, vou falar do jeito que eu conseguir, kkk o Mark vai trabalhar muito, seeeempre que algum aparelho da certo e vai ajuda-lo, acontece alguma coisa e quebra de novo, ou outra coisa para de funcionar! O livro tem MUITAS descrições sobre esses "instrumentos", veículos espaciais e etc., eu até compreendi, só não me recordo dos nomes.

Passado algumas semanas, o pessoal da Nasa descobre que o Mark continua vivo e consegue através de uma câmara e computador entrar em contato com ele, bolando diversos planos para ajuda-lo a sobreviver.

E é, mais ou menos isso.

Não vou falar mais para não soltar algum spoiler, mas preciso ressaltar gente, esse livro é muito, MUITO BOM MESMO!

Já se tornou um de meus prefes da vida! <3

Os personagens são bem caracterizados, os pontos de vistas narrados em 3ª pessoa sobre o pessoal lá da Nasa que está dando um jeito de trazer o Mark de volta pra Terra + as narrações em 1ª pessoa pelo Mark estão super bem escritas e convincentes.

As descrições de Marte e de como o Mark faz pra se virar lá é demais! E ele plantando batatas! Foi hilário!

É um livro, a meu ver, que não traz apenas informações interessantes sobre astronautas, Marte, e afins. Mas também, sobre a amizade e sua importância. Sobre como a vida de um único ser humano pode mudar a história, pode transformar culturas e movimentar uma massa de gente que nem se conhece, que nem tinham interesses em comum, tudo, para salvar uma vida. A importa e o valor da vida de Mark dada no livro todo foi importantíssimo e muito, muito lindo e admirável.

O otimismo de Mark é exemplar. Daí você pode me dizer: "Ah, mas é ficção". Sim, é. Contudo, a mensagem é muito clara. A força pela sobrevivência e luta persistente de Mark nos incita a fazer o mesmo. Sempre. Por menor, ou até maior que nossas lutas sejam.

Um livro incrível! Muito bom mesmo! Gostoso de ler, extremamente divertido e que passa uma mensagem essencial e espirituosa! 
Vale muito a pena de ler!

E agora NECESSITO assistir o filme!
É, pois é, li semana passada e até agora nada de assistir, mas irei, até o final do mês que vem, e corro aqui contar pra vocês o que achei, combinado??

Leiaaaaaam!



Essa é a quinta resenha de Junho do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um livro com capa laranja.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.